Sábado, 28.06.08

O ATAQUE (Relato de M. Miranda )

 

                           o ataque

ESTÁVAMOS EM PANGALA. FOMOS INFORMADOS QUE O PILOTO DA AVIONETA QUE SERVIA O BATALHÃO HAVIA AVISTADO,DURANTE O PERCURSO QUE LIGAVA CUIMBA A S.SALVADOR, UM AQUARTELAMENTOINIMIGO NO INTERIOR DUMA MATA SITUADA NA NOSSA ZONA DE INTERVENÇÃO. AS INFORMAÇÕES NÃO IAM ALÉM DISTO.

O 3º PELOTÃOFOI INCUMBIDO DE O PROCURAR E DESTRUÍ-LO.DURANTE DOIS DIAS PERCORREMOS A ZONA JUNTO AO RIO ONDE AS MATAS RAM MAIS FECHADAS E NOS PARECIA MAIS PROVÁVEL A SUA INSTALAÇÃO. NADA FOI ENCONTRADO. REGRESSÁVAMOS CANSADÍSSIMOS E DESANIMADOS POR NADA JUSTIFICAR TANTO ESFORÇO. 

NAQUE DIA (MAIS UMA VEZ) PARTIMOS ,CORTA MATO,  DE MANHÃ BEM CEDO. A MISSÃO ERA A MESMA  -ENCONTRAR E DESTRUIR O AQUARTELAMENTO INIMIGO.  DESCONHECÍAMOS SE ESTAVA OU NÃO OCUPADO E QUANTOS SERIAM.  AO FIM DE UMAS DUAS HORAS DE MARCHA PARÁMOS PARA DESCANSAR.  ESTÁVAMOS NA ORLA DUMA PEQUENA MATA E, COMO ERA HABITUAL, ENTRÁMOS UM POUCO DENTRO DELA COM A INTENÇÃO DE ENCONTRAR ALGUNS FRUTOS. FOMOS FELIZES POIS ENCONTRÁMOS VÁRIOS ANANAZES QUE ESTAVAM  RAZOAVELMENTE MADUROS; PELA PRIMEIRA VEZ  COMI AQUELE FRUTO QUE ACHEI DELICIOSO.  RETOMÁMOS A MARCHA SEGUINDO PELA ENCOSTA. NAQUELA ALTURA O CAPIM ESTAVA QUEIMADO MAS FICAVAM SEMPRE UMAS VARAS QUE DIFICULTAVAM UM POUCO MAIS O ANDAMENTO  .  AO CIMO DO MONTE QUE SE ENCONTRAVA NA NOSSA FRENTE, AVISTAVA-SE UMA MATA; ERA PARA LÁ QUE NOS DIRIGÍAMOS.  ERA UM VALE BASTANTE LARGO QUE NOS SEPARAVA DA ENCOSTA QUE TÍNHAMOS DE SUBIR. PERCORRIDOS ALGUNS  metros OS HOMENS DA FRENTE PARAM E DIZEM – NÃO SE PODE PASSAR – ESTAVAMOS PERANTE  UM PÂNTANO. E AGORA?  CONTORNA-LO LEVARIA MUITO TEMPO E DECIDIMOS ATRAVESSA-LO.  TÍNHAMOS QUE SEGUIR EM FILA INDIANA E PROCURAR POUSAR O PÉ NOS TUFOS DE ERVAS QUE ERAM MAIS FIRMES. COM ALGUMAS ESCORREGADELAS E ALGUNS DE NÓS ENCHARCADOS, ATRAVESSAMOS.  SUBIR A ENCOSTA ATRAVÉS  DO CAPIM FOI UM SACRIFÍCIO.   FINALMENTE,  ESTAVAMOS À ENTRADA DA MATA. PARAMOS PARA  DESCANÇAR. POUC TEMPO DEPOIS ENTRAMOS MATA DENTRO.  NÃO SE OUVIA O MÍNIMO BARULHO.  FINALMENTE, UNS CINQUENTA  METROS À FRENTE, ESTAVA LÁ.  ERA O TAL QUARTEL QUE TANTO PROCURÁMOS.  DECIDIDOS, AVANÇÁMOS ESPALHADOS NUMA FRENTE TOMANDO PRECAUÇÕES PARA NÃO ATIRARMOS UNS CONTRA OS OUTROS, SÓ FARÍAMOS FOGO SE TIVESSEMOS A CERTEZA SOBRE QUEM  ATIRÁVAMOS.  . NÃO HOUVE  QUALQUER REACÇÃO.  ENTRAMOS SEM NINGUEM A RECEBER-NOS.  TINHA SIDO  ABANDONADO.  ERA REALMENTE UM QUARTEL. CONSTRUIDO EM QUADRADO COM  TRES EDIFÍCIOS COM O INTERIOR AMPLO QUE SERIAM AS CASERNAS E  O DA ENTRADA COM DIVISÕES, NATURALMENTE O DO COMANDO.  O MASTRO DA BANDEIRA ESTAVA COLOCADO NO MEIO DUMA EsTRELA ORLADA COM PAUS E AS INICIAIS  U  P  A.  AS PAREDES DE ADOBOS DE TERRA E A COBERTURA EM CAPIM.   FOI TUDO DESTRUÍDO  COM O FOGO QUE LHE CHEGÁMOS.  AS MUITAS BALAS QUE SE ENCONTRAVAM ESCONDIDAS NO CAPIM, AO ESTOIRAREM COM O FOGO PARECIAM ABRILHANTAR A FESTA DA CONQUISTA.

O TRABALHO AINDA NÃO ESTAVA COMPLETO, FALTAVA FAZER A BATIDA À MATA.    NUMA FRENTE RELATIVAMENTE PEQUENA, AVANÇÁMOS.  O SILÊNCIO ERA  TOTAL. DE REPENTE QUANDO JÁ  NÃO SE ESPERAVA, ACONTECEU O ATAQUE.; ERAM AOS MILHARES; ZUMBIAM POR TODOS OS LADOS. ATIRÁMO-NOS PARA O CHÃO, MAS, NEM ASSIM NOS LARGARAM.   AS ABELHAS ERAM  MUITO FEROZES

MÁRIO MIRANDA

 

publicado por gatobranco às 19:12 | link do post | comentar

À PROCURA DA COZINHA (Relato de M.Miranda)

                    

                                  

                                   

  Seguíamos para norte, zona S. Salvador do Congo.  Mais de milQuilómetros a serem cumpridos por etapas.                                                                                                                                                                                                                Aquela 

 Esta acabava em Negaje, cidade onde me esperava um amigo - amigo de infância, o Lima - que, como militar, estava na cidade. Sabia da nossa chegada e, para receber-me, tinha preparado um jantar.   Foi então que tudo se alterou.  O Capitão, no «jeep» aproximou-se da minha viatura, onde seguia com a minha secção e dá-me aquela ordem: - Miranda, avance até encontrar o carro da cozinha e mande-o parar onde estiver e esperem lá.

  No cumprimento da ordem seguimos à procura da cozinha. Não a encontrámos e, sem saber como, estávamos em plena estrada, no descampado, já bastante fora da cidade.

   –E  agora?  Sem  pararmos, perguntei aos meus companheiros; Retrocedemos? ( recordei o que o sargento Ludovico  nos ensinou, em  Lamego, a propósito de cair  em emboscadas « nunca voltar pelo mesmo caminho».  NÃO… Avançamos. Sabia que era aquela a estrada que devíamos seguir e prosseguimos.

Estava uma noite não muito escura embora não houvesse luar; era daquelas noites que as estrelas brilham mas que as sombras assustam.

A estrada era em terra e, ao passarmos, levantava-se muita poeira.

Do nosso lado esquerdo era mata com árvores altas e parecia muito densa.  Do lado direito era terreno nu, plano; não parecia haver alguém a viver por ali.

Medo?  Ninguém dizia  mas estava bem presente.  Estávamos unidos. Uma união que tive a felicidade de sentir em todos os momentos da nossa permanência em Angola. Éramos um grupo forte.

A certa altura deparou –se-nos  uma descida vendo-se ao fundo uma ponte.  Parámos.

A ponte seria segura? Não haveria uma emboscada? O local era perfeito para isso. Mas tínhamos de decidir; recuar era impensável.  Foram três verificar a ponte enquanto nós procuramos dar-lhes segurança. Não houve qualquer problema. A ponte, em madeira, estava bem.  Novamente todos no carro, seguimos. A estrada agora era mais acidentada, o terreno já  não era plano e não havia qualquer mata. Estávamos mais confiantes. Avistámos luzes ao longe, aliviámos a tensão.  Sabíamos que só podiam ser de tropas nossas.

Não sei quanto tempo demorámos a chegar, mas foi uma eternidade.

Por fim encontrámos a estrada impedida por um engenho de paus e arame farpado; era já madrugada.  Chamei a sentinela e pedi para ser levado ao comandante da unidade. Era um capitão, portanto era uma companhia que lá estava.  Apresentei-me, contei a razão da nossa presença  e pedi que entrasse em contacto com Negaje e informasse a nossa situação.

 – À noite não há comunicações - , respondeu – me.  Chamou o soldado que nos tinha levado até ele, mandou arranjar – nos de comer e onde dormir e diz-me:

 - De manhã trata-se do assunto, durmam bem.

              Estávamos na estrada, junto ao «unimog», quando apareceu a nossa coluna.  O Capitão Sampaio, no «jeep», em andamento, viu – me, fez um gesto ameaçador com os dedos da mão direita e continuou. Nós seguimos também.

              O Capitão Sampaio jamais me disse uma palavra sobre o acontecido.  Da minha memória nunca saiu.

 

Miranda

 

Nota do então sargento de transmissões da  CCE306:

“Ao nascer do sol e com a coluna em ordem de marcha, verificou-se  que a cozinha perdida estava entre as viaturas da coluna.Não havia cozinha perdida”

 

 

 

 

 

 

 

publicado por gatobranco às 18:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Junho 2008

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

posts recentes

comentários recentes

  • Tanto que lutou pela vida! Lá longe, há muito temp...
  • È verdade, já lá vão cinquenta anos mas está sempr...
  • Nos meus "apontamentos" alguém conversou com Deus ...
  • Esta faz-me recordar a escolta, a uma coluna de re...
  • PRIMEIROS MOMENTOS DA "ETERNIDADE" QUE NOS ESPERA...
  • Sabes?Andar à roda pode ser uma boa t+ecnica para ...
  • Com que então, o amigo Tendeiro perdido no meio de...
  • Não posso precisar o dia mas, faz este mês de Març...
  • Naqueles tempos, só nos restava sonhar com aquilo ...
  • Naquele tempo sem futuro, os sonhos projectavam-se...

Posts mais comentados

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO