Dias um e dois de Julho de 62

Dias negros, inesquecíveis da nossa juventude truncada -- um e dois de Julho de 1962.

Lá longe, muito longe, por onde nunca tínhamos presumido que andaríamos, o sacrifício do Monteirinho, do Barriguinha, do Carvalho e do nosso tão querido David, deu-nos a medida daquele momento: era a guerra.

Guerra que não conhecíamos, que não tínhamos experienciado ainda e que não queríamos.

Descansam em paz inscritos no memorial dos combatentes da guerra do ultramar e, para sempre, na nossa memória.

J. Eduardo Tendeiro

                                   ---oo---

        "Por quem nem os sinos dobraram" 

                        A. Ribau Teixeira

publicado por gatobranco às 10:28 | link do post